segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

PS Comunidades : Newsletter No 1



UMA NOVA RELAÇÃO COM AS COMUNIDADES

De forma a criar uma nova relação com os militantes do PS nas Comunidades, mas também com simpatizantes, associações e todo o tipo de entidades de portugueses no estrangeiro, o Partido Socialista vai passar a enviar um boletim com informação sobre temas relacionados com as Comunidades, designadamente de carácter político e cívico.

O início desta relação com as nossas Comunidades coincide com a reforma das estruturas do PS no estrangeiro, através da aprovação de um novo Regulamento actualmente em apreciação, de forma a dotá-las de uma maior flexibilidade no seu funcionamento e maior autonomia para as suas iniciativas e tomadas de posição.

O Partido Socialista pretende, desta forma, estar mais próximo dos seus militantes e das Comunidades e apelar também à sua participação, com notícias do seu interesse. Reforça-se assim um elo interactivo aberto e democrático entre o PS a nível nacional, através do Departamento Internacional e de Comunidades, e os nossos militantes e comunidades espalhadas pelo mundo.


José Lello

Secretário Internacional do PS
___________________________________________________________________________

PS REFORMA ESTRUTURAS NO ESTRANGEIRO

O Partido Socialista enviou para os responsáveis pelas estruturas do PS no estrangeiro uma proposta de Regulamento para debate interno com o objectivo de aprovar definitivamente a reforma das estruturas do PS no estrangeiro a partir de Março, período em que termina o prazo para a apresentação de propostas de alteração.

A proposta de Regulamento, designada “Regulamento Para a Organização e Eleição das Secções do PS no Estrangeiro”, foi aprovada na última reunião do Secretariado do PS por unanimidade e logo enviada para as estruturas do PS nas Comunidades, acompanhada de uma carta do Secretário Internacional do PS, José Lello.

Na carta, José Lello afirma que se pretende com o novo Regulamento ultrapassar as dificuldades de funcionamento que as Federações do PS no Estrangeiro têm evidenciado, entre as quais se conta o problema das quotas. O objectivo desta reforma é valorizar a estrutura com base na Secção, conferindo-lhe maior flexibilidade e autonomia e fortalecer a ligação das secções no Estrangeiro à sede nacional do PS As novas estruturas do PS procuram também dar resposta às necessidades de colaboração de forma mais fácil com os partidos irmãos nos países de acolhimento.
___________________________________________________________________________

SPD DE MÜNSTER GARANTE PORTUGUÊS NAS SUAS LISTAS
A líder do SPD de Münster, Svenja Schultz, garantiu que irá colocar, pela primeira vez, um português na lista de candidatos às próximas eleições municipais, que se realizarão no próximo ano. A garantia foi dada por ocasião da participação do Director do Departamento Internacional e de Comunidades do PS, Paulo Pisco, na abertura do novo ano político do SPD de Münster, onde interveio como convidado principal e no âmbito da cooperação que tem havido entre os dois partidos.Ao intervir perante os cerca de 400 membros do SPD presentes no evento, onde houve também intervenções de Svenja Schultz e do líder da bancada do SPD na Câmara de Münster, Paulo Pisco considerou que a colaboração que tem havido entre os dois partidos tem vindo a consolidar-se e é importante para ambos. Elogiou também o PS de Münster, que através do trabalho do seu coordenador recém-eleito, Alfredo Cardoso e do restante executivo, designadamente António Machado e Ricardo Campos, tem vindo rapidamente a expandir-se.A secção do PS de Münster foi formalizada na reunião com os militantes que se realizou no dia 27 de Janeiro, altura em que foram entregues os cartões aos novos militantes.
___________________________________________________________________________

PS CRIA SECÇÃO EM NEUCHÂTEL

O Partido Socialista criou uma secção em Nêuchatel no passado sábado, dia 2 de Fevereiro, numa reunião com o director do Departamento Internacional e de Comunidades do PS, Paulo Pisco, em que estiveram os novos militantes e também os vice-presidentes do Parti Socialist Neuchâtelois Olivier Hardy e Thomas Fachinnetti.

Nesta reunião conjunta das estruturas do PS português e suíço, foram discutidas as formas de colaboração entre os dois partidos, particularmente tendo em vista as próximas eleições comunais de 27 de Abril.

Aqueles responsáveis do PS de Neuchâtel manifestaram toda a abertura e interesse numa colaboração estruturada entre os partidos e disseram que gostariam de contar com a presença de portugueses nas suas listas candidatas às diversas comunas do cantão, que são 62. “Queremos que nas comunas do Cantão haja tantos candidatos portugueses quanto possível nas listas do nosso partido”, disse Thomas Fachinetti.

Refira-se que no Cantão de Neuchâtel existem cerca de 11.000 portugueses e é a primeira vez que os estrangeiros podem ser eleitos para as comunas.

A nova secção do PS/Neuchâtel tem como coordenador interino, até à realização de eleições, Carlos Ramos, fazendo também parte do Secretariado António Carvalho, António Castanho, José Carlos Costa e Franquelin Resio.
___________________________________________________________________________

REFORMA CONSULAR FEITA COM TRANQUILIDADE

Manipulador, imobilista e amnésico, é o mínimo que se pode dizer da posição do PSD/Paris sobre a reforma consular em curso em França, particularmente no que se refere à transferência das actividades das estruturas de Orleans e Tours para a renovada estrutura do Consulado-Geral de Paris.

Ao contrário do que afirma o PSD de Paris em comunicado, a transferência da actividade está a efectuar-se de forma ponderada e cautelosa, para não afectar nem utentes nem funcionários. Por um lado, estão a ser garantidas de forma plena a permanência de funcionários consulares para atender todas as necessidades dos utentes. Além disso, estão já nomeados os Cônsules Honorários para aquelas cidades. Esta reforma tem vindo a ser implementada por fases com o propósito de modernizar, adaptar e melhorar a eficácia de funcionamento dos serviços e dar melhor resposta aos portugueses.

Com o comunicado do PSD/Paris o deputado Carlos Gonçalves vem mais uma vez revelar a sua amnésia histórica, passando uma esponja sobre a maneira cega, brutal e sem alternativas como encerrou há quatro anos, em França, os consulados de Bayonne, Nancy e Rouen.

Municipales: Antonio COSTA á Paris (2)

Nous vous prions de trouver le tract qui sera distribué, jeudi 14 février, lors de la Promenade des Européens qui se tiendra entre Place de l'Europe et Place de Clichy à partir de 17h00.


Merci de relayer le plus largement possible l'information auprès de vos adhérents, de vos camarades, de vos collègues de travail.


PS Français - Fédération de Paris



Municipales: Antonio COSTA á Paris

Cher-e-s camarades,

Lors de la dernière réunion de la Commission fédérale Europe, nous avons évoqué avec l'équipe de campagne de Bertrand Delanoë l'organisation d'une initiative européenne dans le cadre de la campagne municipale.

Je vous adresse ci-joint le descriptif et le déroulé de cette initiative qui va se dérouler le jeudi 14 février à 17h00 (Place de l'Europe, M° Europe, ligne 3) en présence de Bertrand DELANOË et d'Antonio COSTA, maire de Lisbonne.

Les partis socialistes et sociaux-démocrates européens présents à Paris seront présents lors de cette balade européenne.

Je vous invite à participer le plus nombreux possible à cette initiative afin de contribuer à donner une dimension européenne à notre campagne.

A jeudi.

Amitiés socialistes.

Nicolas Nordman, Secrétaire fédéral Europe
PS Français - Fédération de Paris



Municipales: quand les familles s'emmêlent

Par Par Fabien NOVIAL AFP - Jeudi 7 février, 18h06

PARIS (AFP) - Un frère Royal, une belle-soeur Besancenot et une nièce Mauroy sur des listes de droite, Mme
Nicolas Hulot sur une liste de gauche, la mère de François Hollande en campagne à 80 ans... les municipales et cantonales, c'est aussi une affaire de famille qui réserve quelques surprises.

Ainsi le frère de l'ex-candidate socialiste à la présidentielle,
Ségolène Royal, Gérard Royal, se présente sur une liste divers droite à Camaret-sur-Mer, sur la presqu'île de Crozon, dans le Finistère. L'ancien agent de la DGSE "ne pipe mot sur sa soeur", relève la presse locale.

Une cousine germaine de Ségolène, Anne-Christine Royal, fait même campagne pour le
Front National, pour les cantonales, à Castillon-la-Bataille (Gironde). Cette mère de famille, veuve, milite au Front National depuis les années 80.

Quant à la belle-soeur du porte-parole de la
LCR Olivier Besancenot, Laurence Besancenot, elle se présente sur la liste UMP du maire sortant Antoine Rufenacht (Le Havre). "Quand on se réunit, dans la famille de mon mari, on évite de parler de politique", a récemment déclaré l'attachée de presse de 40 ans, qui n'est pas membre de l'UMP, au Figaro.

Mais dans le reste de la famille, l'honneur est sauf puisque Geneviève Besancenot, la mère d'Olivier, portera elle bel et bien les couleurs de la LCR à Louviers (Eure). A 66 ans, cette psychologue scolaire à la retraite figure en avant-dernière position.

Enfin, à Lille, bastion historique du socialisme, la nièce de l'ancien maire Pierre Mauroy, Brigitte Mauroy, sera numéro deux sur la liste conduite par le député UMP Sébastien Huyghe. Celui-ci "incarne mieux l'héritage" de son oncle que Martine Aubry, estime-t-elle.

Dans l'autre sens, Florence, la femme de Nicolas Hulot, très proche de
Jacques Chirac, se présente à Saint-Lunaire (Ille-et-Vilaine) sur une liste divers gauche.
Mais bien d'autres restent dans leur "famille" politique.

Ainsi, Nicole Hollande, la mère du premier secrétaire socialiste François Hollande, se présente en dernière position de la liste PS à Cannes (Alpes-maritimes). "C'est une place symbolique. Elle a 80 ans. Mais c'est venu d'elle", assure la candidate à la mairie Apolline Crapiz, interrogée par l'AFP. Mme Hollande, ancienne assistante sociale, est membre du PS de la ville.

Côté UMP, Malika Dati, soeur de Rachida Dati, garde des Sceaux, est en 14e position (éligible) sur la liste du maire sortant de Nancy, André Rossinot, candidat à un cinquième mandat.

Le fils de Nicolas Sarkozy, Jean, prête quant à lui main-forte à David Martinon, qui se présente à Neuilly-sur-Seine, fief du président de la République. Non loin de là, à Clichy-la-Garenne, la fille de l'ancien Premier ministre socialiste Pierre Bérégovoy, Catherine Bérégovoy-Cottineau, en position éligible sur la liste du maire sortant Gilles Catoire (PS), sera en lice contre le fils de l'ancien ministre socialiste de la Défense Charles Hernu, Patrice Hernu, qui a lui préféré rejoindre l'UMP.

L'affaire peut parfois virer à la dispute de famille, comme à Puteaux, toujours dans les Hauts-de-Seine, les Ceccaldi-Raynaud père --Charles-- et fille --Joëlle (UMP)-- devraient selon toute vraisemblance se présenter l'un contre l'autre...

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

PS Hauts de Seine : Fête de la Rose

_________________________________



Cher(e) Camarade,

Voici l'invitation à la Fête de la Rose du PS92 et au au Forum de la Rénovation "Les Socialistes de la Nation" en présence de Pierre Moscovici, Secrétaire National à l'International, samedi 20 octobre à Clichy-la-Garenne.

Amitiés Socialistes

Pascal Buchet
Premier Secrétaire Fédéral du PS92


NB: Les inscriptions au banquet républicain et à la soirée dansante sont à retourner à la Fédération, avec les chéques, avant le 15 octobre 2007. Merci.


Projecto da nova constituição europeia

Caros Camaradas,

Poderão encontrar aqui o projecto da nova constituição europeia que foi ultimamente discutida em Lisboa.

Hà que à beira para melhor compreensão a ultima versão da constituição chumbada pela França e a Holanda.

Mais de 200 pàginas de leitura, por sorte em francês !!!

Jà têm romance de leitura na praia !!

Baixar em :
http://www.consilium.europa.eu/cms3_fo/showPage.asp?id=1317&lang=en&mode=g

Boa leitura a todos.

Adé CALDEIRA
PS Português - Federação de França

Accao Socialista 1289 newsletter

Clique para aceder ao site : Download PDF

O último Fórum Novas Fronteiras, onde o primeiro-ministro, José Sócrates, fez um balanço de dois anos e meio de governação e reiterou o seu empenho em prosseguir uma política de promoção de mais oportunidades para todos.Destaque nesta edição para as entrevistas a Vítor Ramalho, presidente da Federação de Setúbal, Correia de Campos, ministro da Saúde, e Vitalino Canas, deputado e porta-voz do PS. Como sempre, nesta edição, há informação detalhada sobre as actividades do partido, as acções do Governo e do Grupo Parlamentar do PS.

InfoEuropa - Socialistas Portugueses no Parlamento Europeu

PE aprova Relatório de Paulo Casaca que defende equilíbrio entre possibilidades e capacidades de pesca ...


Parlamento Europeu aprova propostas apresentadas por Edite Estrela ...





Newsletter do Portal do Governo

O Conselho de Ministros aprovou um conjunto de diplomas tendo em vista a aprovação e a concretização do Plano Tecnológico da Educação, com o objectivo de reforçar e actualizar o parque informático na maioria das escolas portuguesas; o desenvolvimento de uma estratégia coerente para a disponibilização de conteúdos educativos digitais e para a oferta de formação e de certificação de competências em tecnologias da informação e da comunicação dos professores; e a adopção de um modelo adequado de digitalização de processos que garanta a eficiência da gestão escolar.

Accao Socialista 1288 newsletter

Clique para aceder ao site : Download PDF

O anúncio pelo primeiro-ministro de um pacote de medidas de apoio à natalidade durante o debate do estado da nação no Parlamento é a manchete da última edição do "Acção Socialista", onde ocupa lugar de destaque a vitória do PS na Câmara de Lisboa, cujo novo presidente, António Costa, irá tomar posse no dia 1 de Agosto e iniciar um ciclo de mudança na capital.
Neste número, que inclui o suplemento "Europa", destaque ainda para a reforma do Parlamento, que trará mais transparência e reforçará os direitos das oposições, e para uma entrevista com o presidente da Federação de Viana do Castelo, Rui Solheiro.

Newsletter do Portal do Governo

Vitória histórica em Lisboa

António Costa é o novo presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), eleito com 29,54 por cento dos votos sufragados no passado domingo, 15 de Julho. Numa eleição histórica, o PS ganhou em todas as freguesias e conquistou, sem coligações, a maior autarquia do país. Os lisboetas deram uma maioria clara aos socialistas e mostraram o cartão vermelho à direita.

José Socrates : «Uma Europa mais forte para um Mundo melhor»

O Primeiro-Ministro apresentou à Assembleia da República o programa de prioridades da presidência portuguesa da União Europeia. O programa da presidência, que se iniciou a 1 de Julho, tem «três eixos fundamentais: a reforma dos Tratados, uma agenda de modernização das economias e das sociedades europeias, e o reforço do papel da Europa no Mundo». No campo económico e social o PM sublinhou a necessidade de «um novo ciclo da Agenda de Lisboa»; de um «plano de acção tecnológico em matéria de energia, com especial destaque para a eficiência energética»; da construção de «uma efectiva política marítima europeia»; bem como da «coordenação das políticas de emprego, te ndo em vista potenciar a criação de postos de trabalho sustentáveis». José Sócrates destacou também «três iniciativas no domínio da política externa europeia em que a presidência portuguesa quer deixar a sua marca: a Cimeira com o Brasil, as conferências Euromediterrânicas e a Cimeira com África». Mais...

Lettre ouverte à François Hollande : Quand les minorités comptent pour du beurre et du cacao

Aujourd’hui, nul n’est dupe. Il n’y a pas de hasard dans la faible représentation de la diversité dans la classe politique française. La bataille politique se pose donc aussi à ce niveau. Depuis que tu abreuves la France de discours talentueux pour décrire la rénovation en marche, les citoyens espéraient voir ce combat mené par les socialistes. Ils ne pensaient pas encore que même les principes les plus nobles pouvaient être détournés par ceux qui les énonçaient.

Il est donc venu le temps de mettre un terme à la bouffonnerie que tu as enclenchée au congrès de Dijon en « représentant toutes les couleurs du parti »* dans les instances nationales.
Déclamer sur les couleurs au lieu de valoriser les compétences et les talents est lourd de sens. En effet, quand on a usé et abusé de la diversité pour se faire servir son café ou se faire conduire, il est plus facile de la compter pour du beurre et du cacao que d’avoir à la penser responsable, partenaire et décisionnaire.

Ah ! Ce Jacques Chirac, il t’en aura fait faire du souci. Qu’avait-il besoin d’en rajouter en 2002 en nommant deux français issus de la diversité au gouvernement ? En plus de te piquer les thèmes de campagne, qu’avait-il donc à réaliser ce que la Gauche promettait ? C’est qu’il finirait par lui mettre de mauvaises idées dans la tête à la diversité ! Président ça passe, il n’y en a qu’un. Il n’y aura pas foule à convoiter le poste. Mais à l’Assemblée Nationale, il y a 577 députés donc plus de chance de voir surgir des velléités.


Mais plus que des intentions, les exigences apparaissent et pas des moindres car leur légitimité est incontestable. Là, flanqué de quelques fidèles acolytes, tu tentes comme à ton habitude de ménager la chèvre et le chou tout en forçant le passage à ton profit. Désignation par les militants pour les uns, cooptation et parachutage pour les autres. Pour les uns, on connaît le résultat. Il est pitoyable mais l’exercice dit démocratique aura permis de percevoir l’incapacité collective à mettre en phase certains socialistes avec la société du 21ème siècle. Pour les autres, les cooptés, tes amis, on s’interroge encore sur l’objectif final de tant de bienveillance. La seule référence sur le contexte et la méthode, renvoie au deuxième collège de l’Assemblée algérienne de 1947. Reste à savoir si le fantasme du vote communautaire permettra de concrétiser ton rêve de calife. Peu t’importe les effets pervers que ce comportement induit. Aujourd’hui, au lieu d’être naturelle, la diversité est pressentie comme un danger par les militants de terrain qui se sentent méprisés par ces parachutages inopportuns.

Pour couronner le tout, tu files, fier comme un émir, à Alger et à Rabat pour te faire introniser chantre de la diversité. Aveuglé par tes certitudes, tu ne remarques même pas le regard amusé que porte sur ta caravane, les dirigeants de ces deux pays depuis longtemps libérés.

Cerise sur la corne de gazelle, tu vends, voire tu échanges comme de vulgaires tapis les quelques uns loyalement désignés par les militants, légalement ratifiés par la convention nationale, pour conclure un accord électoral avec les Verts qu’ils finissent par refuser. Tant de cynisme politique ne grandit ni l’homme, ni le parti qui le cautionne.

Comme tu parais n’avoir toujours rien compris, le 6 mai, les Françaises et les Français t’envoient Nicolas Sarkozy te coller grave aux babouches. Pour commencer à te brancher, il t’échange une Elisabeth contre une Rachida à la Justice et un Douste–Blazy contre un Kouchner aux Affaires Etrangères. Comme il est parti, dans 5 ans, Mohamed est à l’Intérieur et Ségolène aux Droits des Femmes.

Toi pendant ce temps, tu attends le match retour, celui du 10 juin. Là, obligatoirement, à force de marquer des buts contre ton camp, tu mets ta petite équipe à rude épreuve.

Malek apprend à ses dépens que malgré Ségolène, la Charente reste toujours libre. Faouzi découvre à Argenteuil que le vote communautaire - tant pourfendu, mais tellement espéré- n’est qu’une vue de l’esprit qui s’arrête à Solferino, Safia comprend enfin que le seul lien qui unit les trappistes à la Bourgogne c’est l’ordre des Cisterciens de la Stricte Observance, etc., etc., ainsi soit-il. Quant aux militants investis à la loyale dans les circonscriptions imprenables, ils ont beau en faire le siège, les citadelles restent aussi inaccessibles que l’Assemblée Nationale. Résultat du match, comme à chaque fois, le festival de mise en scène des faciès trouve une fin peu glorieuse. Et, ton ingéniosité à faire prendre des vessies pour des lanternes laisse place à une réalité douloureuse et sans artifices. Le temps des promesses prend fin, il ne s’agit plus de clamer le nombre de députés socialistes issus de la diversité mais de crier au loup pour sauver les quelques Robinson du naufrage. Pour les Vendredi, on verra plus tard après les élections.

Si le 18 juin prochain, Nicolas Sarkozy félicite pour son élection ne serait ce qu’un seul député UMP issu de la diversité, il écrira une page de l’histoire de France qui ne pourra plus jamais être tournée.

Il sera celui qui a accepté une diversité émancipée, en voyant en elle des citoyens égaux et également admissibles à toutes les dignités et places sans autre distinction que celle de leurs vertus et de leurs talents.

Quand la Droite démontrera sa capacité d’action, les socialistes présumés progressistes et avant-gardistes seront alors renvoyés pour longtemps à leurs chères citations où chaque citoyen de France quel que soit son origine, sa religion, sa couleur de peau, son handicap ou son orientation sexuelle est censé digne de tous les respects.

Monsieur le Premier Secrétaire, tu peux partir tranquille, les socialistes vont avoir du mal à trouver pire.


Chafia MENTALECHETA
Ex-Déléguée Nationale « lutte contre les discriminations et citoyenneté

Point de presse conjoint de M. Nicolas SARKOZY, Président de la République, et de M. José SOCRATES, Premier ministre du Portugal



Palais de l'Élysée, Paris, le lundi 4 juin 2007

LE PRESIDENT - Mesdames et Messieurs, avec l'accord du Premier ministre portugais, je vais m'exprimer devant vous en premier en m'excusant de ce petit point de presse qui sera très rapide car j'ai dit à M. SOCRATES que je devais me rendre aux obsèques de M. Jean-Claude BRIALY.
Je voudrais dire combien j'ai été heureux de recevoir à déjeuner le Premier ministre portugais, futur Président de l'Union à partir du mois de juillet prochain. J'avais eu le plaisir d'être reçu par lui à Lisbonne et l'on peut dire que nous avons fait un tour d'horizon qui s'est traduit par une très grande convergence de vues. Nous sommes d'accord sur le fait d'aller vite pour débloquer la situation institutionnelle, nous sommes d'accord pour un nouveau Traité, bref, permettant de sortir de l'impasse institutionnelle et cet accord est d'autant plus important que s'il a lieu au Conseil européen des 21 et 22 juin, c'est la présidence portugaise qui aura à le concrétiser au cours du deuxième semestre de l'année 2007. J'ai dit également ma disponibilité au Premier ministre portugais pour me rendre au mois de juillet à un dîner avec le Président LULA dans le cadre du Sommet Brésil/Europe où le Premier ministre SOCRATES a bien voulu m'inviter.


M. JOSE SOCRATES - L'Europe doit, en effet, résoudre son problème avec le Traité européen. Il y a un consensus très fort sur les priorités d'action et sur l'urgence des réformes qui nous permet de donner des signaux forts aux citoyens, à l'économie européenne. Ces signaux montrent que l'Europe bouge et évolue pour le monde. C'est le moment pour dire que la décision de la Présidence allemande de donner la priorité à la résolution de la question du Traité a été une bonne décision. Elle a beaucoup progressé au long de ces derniers mois. J'espère qu'au prochain Conseil européen, il y aura un mandat clair pour que l'Europe puisse atteindre un compromis pendant la présidence portugaise avec un Traité qui permette de renforcer l'Union, de renforcer l'Europe et de donner davantage de confiance aux Européens et davantage de confiance à l'avenir de l'Europe. J'aimerais terminer en remerciant encore une fois le Président SARKOZY pour cette conversation et son engagement dans la résolution des problèmes européens. L'Europe a besoin de la France et a besoin de la locomotive française pour résoudre tous ces problèmes. Je vois avec beaucoup d'optimisme cette volonté de la France de contribuer à la résolution des problèmes de l'Europe. Merci.


QUESTION - On nous dit que les négociations avancent entre l'Union européenne et la Libye, est-ce que vous avez bon espoir qu'une libération ou un dénouement puissent se produire avant la fin juin ?
LE PRESIDENT - C'est le genre de dossier pour lequel moins on en parle publiquement, plus on a de chances d'avancer. J'ai eu l'occasion de m'entretenir de ce sujet avec le Président KADHAFI il y a quelques jours. Disons que les discussions avancent.

QUESTION - Monsieur le Président, Monsieur le Premier ministre comment réagissez-vous aux déclarations de M. Vladimir POUTINE parues dans plusieurs quotidiens ce matin concernant des cibles en Europe pour répondre au bouclier anti-missile et qu'attendez-vous, Monsieur le Président, du Sommet du G8 ?
M.JOSE SOCRATES - Nous avons toujours été favorables à la construction d'une sécurité européenne incluant également la Russie. Je pense qu'il est possible et souhaitable d'établir un accord avec la Russie, un accord stratégique en vue de donner une réponse au problème de l'Europe et de la Russie. Je pense que cela est souhaitable et je pense aussi que la Russie ne doit pas voir dans cette initiative une proposition défensive. C'est sur cette base d'une volonté de coopération stratégique que l'on pourra atteindre une bonne solution.
LE PRESIDENT - Pour terminer, moi, j'attends du G8 d'abord qu'il se concentre sur les deux sujets majeurs qui sont premièrement le réchauffement climatique. Il faut des objectifs chiffrés pour démontrer notre volonté d'agir et deuxièmement sur l'aide à l'Afrique parce que le destin de l'Afrique et celui de l'Europe sont liés. Quant aux déclarations de Monsieur POUTINE, j'aurai un entretien bilatéral avec lui, je l'écouterai avec attention. Il a appelé à un dialogue confiant et franc, il sera, de ma part, franc.


QUESTION - Si, au Conseil européen, il n'y a pas de consensus entre les vingt-sept, quel sera le prochain pas pour le Traité ?
M. JOSE SOCRATES - Le devoir d'un homme politique, est de regarder avec confiance le résultat d'un Conseil européen. Je pars avec confiance et optimisme car je sais qu'il y a, entre tous les leaders politiques européens, la conscience que nous devons répondre au problème, que nous ne devons pas l'ignorer ou prétendre qu'il n'existe pas. Je pense donc qu'il y a de la part de tous, la responsabilité de ceux qui veulent atteindre un accord le plus tôt possible. Je souligne la position du Président français qui veut une Europe avec plus d'énergie, une Europe plus forte et qui donc a besoin d'un accord très rapidement sur le Traité.
LE PRESIDENT - Si on est Européen, l'Europe doit sortir de l'immobilisme et de l'impasse.
Mesdames et Messieurs, je vais raccompagner le Premier ministre et je vous demande de bien vouloir excuser la brièveté de ce point de presse.

domingo, 6 de maio de 2007

Ségolène : Merci !


França/Eleições: Segolène Royal admite derrota


Paris, 06 Mai (Lusa) - A candidata socialista às presidenciais francesas, Segolène Royal, admitiu a sua derrota imediatamente após a divulgação das primeiras projecções, que dão a vitória ao conservador Nicolas Sarkozy com 53 por cento dos votos.
Falando para um grupo de apoiantes reunidos na sede da sua campanha em Paris, a candidata socialista não referiu expressamente a palavra derrota mas disse perceber "a decepção e a pena" que os resultados suscitavam entre os seus simpatizantes.

"O sufrágio universal falou e eu desejo que o próximo presidente da república cumpra a sua missão, em prol de todos os cidadãos", declarou.

"Mantenham a confiança", lançou aos seus apoiantes, prometendo continuar o que a sua campanha começou e "assumir a responsabilidade" que agora lhe cabe: "Continuo com vocês e junto de vocês".

As primeiras projecções, baseadas em sondagens à boca das urnas e divulgadas às 18:00 TMG (19:00 em Lisboa), atribuem 53 por cento dos votos a Nicolas Sarkozy e 47 por cento a Segolène Royal.

MDR - Lusa/Fim

Acção Socialista N° 1281

Caros Camaradas,

Para baixar, clique em :



Saudações Socialistas.

Adé Caldeira
PS/França

Imaginez une France où tout devient possible !


Un docu-fiction palpitant, des scènes d’un réalisme à vous couper le souffle !
Après le 6 mai plus personne ne vous entendra crier...

Les menaces de Nicolas Sarkozy contre ses adversaires politiques


Plusieurs opposants politiques à Nicolas Sarkozy affirment avoir été menacés par l´ancien ministre de l´Intérieur pour les réduire au silence.

Depuis plusieurs mois, des témoignages anonymes circulaient dans les milieux journalistiques sur les menaces que des proches de Nicolas Sarkozy adressaient aux auteurs d´articles critiques. Parmi les méthodes qui seraient employées pour faire taire un opposant : les pressions économiques sur un journal ou la révélation du nom de sa maîtresse à sa femme. Mais petit à petit, c´est en public que les langues ses délient.

Ainsi, le journaliste Joseph Macé-Scaron a raconté lundi 16 avril 2007 sur RTL comment Nicolas Sarkozy l´avait menacé lorsqu´il était directeur du Figaro-Magazine : « J´ai vu Sarkozy qui était en situation de puissance et non pas de séduction, et je peux vous dire que la menace, le "on se souviendra de toi", l´index pointé, le "on te cassera", je l´ai entendu, moi, Joseph Macé-Scaron, en tant que journaliste du Figaro-Magazine, je parle en connaissance de cause. »

Le ministre de l´Égalité des chances, Azouz Begag, qui a récemment démissionné pour soutenir François Bayrou, a lui aussi rapporté les menaces et les pressions qu´il a reçues de la part de Nicolas Sarkozy alors qu´il s´y opposait en conseil des ministres. Il déclarait mercredi 17 avril au quotidien espagnol El País : « Sarkozy avait beaucoup de pouvoir. Trop. Mes divergences avec lui ont surgit au moment des violences dans les banlieues, quand il a prononcé ces paroles, insultantes, choquantes ; quand il a appelé "racailles" les jeunes et dit qu´il nettoierait les rues au Kärcher. Moi, qui viens de l´immigration, je me suis vu obligé de sortir de ma réserve et dire que je ne pouvais pas accepter ce langage. Il m´a menacé et a utilisé tout son pouvoir politique et médiatique pour me faire disparaître. Azouz Begag n´existe pas, était la con signe. Les journaux et toutes les grandes chaînes de télévision me passèrent sous silence. » Dans un livre sorti le 11 avril, Un mouton noir dans la baignoire, Azouz Begag rapporte les propos que lui a alors tenu Nicolas Sarkozy : « Tu es un connard, un déloyal, un salaud ! Je vais te casser la gueule ! J´en ai rien à foutre de tes explications ! Tu vas faire une dépêche à l´AFP pour t´excuser, sinon je te casse la gueule. »

Par ailleurs, l´utilisation de la police pour réduire au silence des manifestants lors des déplacements de Nicolas Sarkozy devient une pratique courante. Dernier abus de pouvoir en date : des salariés menacés de licenciements empêchés par la police de se rendre à un meeting du candidat. Le Monde du 18 avril rapporte l´interception par la police pendant plusieurs heures de deux cars de manifestants se dirigeant vers le lieu d´un meeting de Nicolas Sarkozy à Meaux. « Ils étaient plus nombreux que nous, explique un syndicaliste. On a eu le droit pendant deux heures et demi à une garde à vue en pleine campagne, sans aucun motif. »

Ces comportements sont indignes d´un candidat à l´élection présidentielle d´une grande démocratie. De récents propos viennent renforcer l´inquiétude qu´ils suscitent. En pleine campagne électorale, l´ancien ministre de l´Intérieur n´a pas hésité à affirmer son admiration pour le coup d´État de 1992 en Algérie. Jeudi 12 avril, au micro d´Europe 1, il félicitait les putchistes algériens : « l´Algérie avait été très courageuse au début des années 90 en interrompant le processus démocratique », affirmait-il.


França/Eleições: Ségolène vence em Portugal com 37,2 por cento


Lisboa, 22 Abr (Lusa) - A socialista Ségolène Royal obteve 37,2 por cento dos votos dos imigrantes franceses em Portugal, logo seguida do conservador Nicolas Sarkozy, com 35,6 por cento, de acordo com os resultados finais afixados na embaixada de França em Lisboa.

França/eleições: Portuguesa apoiante Ségolène convencida adesão dos luso-francês


Lisboa, 20 Abr (Lusa) - A portuguesa Gracinda Maranhão, apoiante da candidata socialista Ségolène Royal às presidenciais francesas, mostrou-se hoje convencida que um maior número de luso- franceses vai votar no domingo, face ao "perigo" que representa a candidatura de direita de Sarkozy.

"Este ano vai haver mais votantes na comunidade portuguesa", disse à Agência Lusa Gracinda Maranhão, dirigente da secção do PS português em França e militante do Partido Socialista Francês (PSF).

Para a socialista, que reside em França há 30 anos, o candidato de direita Nicolas Sarkozy representa "um perigo para a França", pois "é um homem de acção que precisa de agir para existir, não estando a ponderar e a reflectir" e poderá "tomar decisões desequilibradas para o país".

Gracinda Maranhão acredita que a comunidade está consciente desse "perigo", mas admitiu que há muitos jovens luso-descendentes, principalmente na região de Paris, que votam à direita.

No entanto, adiantou que a dispersão dos candidatos de esquerda também poderá prejudicar Ségolène Royal, considerando que a primeira volta das eleições, que se realiza domingo, vai ser difícil de conquistar.

Segundo a socialista, que é também conselheira municipal em Villiers-le-Bel, arredores de Paris, é fundamental que os portugueses participem nas eleições, pois fazem parte da França e devem sentir "orgulho" em contribuir para o seu futuro.

"Os portugueses fazem parte da paisagem política, social e empresarial" da França", disse.

Só podem votar para as eleições presidenciais em França os portugueses com nacionalidade francesa, que são cerca de 500 mil.

Destacando o "empenho pessoal" de alguns portugueses no apoio a Ségolène Royal, Gracinda Maranhão lamentou "o apoio insuficiente" do PSF.

"Nesta campanha, não houve solicitação aos militantes socialistas como houve no passado, que ajudaram na distribuição de panfletos e informação", referiu, acrescentando que o programa eleitoral de Ségolène Royal também não chegou a todo o eleitorado.

"Se esse apoio tivesse sido pedido aos militantes portugueses, eles ajudariam como aconteceu no passado", realçou.

CMP.

Lusa/Fim

quarta-feira, 11 de abril de 2007

Camaradas de Paris : invitation à la Maison des Associations Paris 12

Michèle BLUMENTHAL
Maire du 12e arrondissement

Marie Pierre de la Gontrie
Adjointe au Maire de Paris chargée de la démocratie et des Relations avec les associations

Jean-Pierre BENAÏS
Maire adjoint chargé des associations et du CICA

ont le plaisir de vous inviter à fêter la nouvelle installation de la Maison des Associations dans la gare de Reuilly renovée

Mercredi 18 avril 2007 à 19h00


Gare de Reuilly - 181, avenue Daumesnil - 75012 Paris

Gato Fedorento donne un coup de griffe


XÉNOPHOBIE : Gato Fedorento donne un coup de griffe salutaire aux thèses malodorantes du Front National Portugais.

Le groupe de jeunes humoristes Gato Fedorento a su répondre de la meilleure façon qui soit : par leur humour destructeur, en plaçant une affiche plagiée sur la place du Marquis de Pombal, à côté de l'originale.

Acção Socialista N° 1280


Caros Camaradas,

Para baixar, clique em :
http://www.divshare.com/download/371488-eea

Saudações Socialistas.

Adé Caldeira
PS/França

sábado, 24 de março de 2007

Gracinda Maranhão : Não é por sermos socialistas que não nos manifestamos contra uma decisão que consideramos errada


Consulados : Milhares de portugueses nas ruas de Paris contra decisão do Governo


Paris, 18 Mar (Lusa) - Milhares de emigrantes portugueses em França manifestaram-se hoje em Paris contra o encerramento de quatro postos consulares naquele país, acreditando ainda ser possível convencer o governo português a alterar a sua decisão.

Os manifestantes expressam o seu descontentamento através de palavras de ordem como: "Governo ganha juízo, os consulados não dão prejuízo", "Cavaco Presidente, não deixes maltratar a gente" e "Governo se queres calar a gente, tens que ser mais inteligente".

Os organizadores sublinharam o "sucesso" do evento que segundo eles reuniu "mais de cinco mil pessoas", enquanto fonte da polícia de Paris contactada pela Agência Lusa estimava a presença de apenas cerca de duas mil pessoas.

Foi a primeira vez que portugueses desfilaram no percurso de cerca de 2,16 quilómetros entre as praças da República e da Bastilha, um local emblemático das manifestações em Paris.

António Fonseca do colectivo de portugueses que organizou o evento estava no início "apreensivo" com a possibilidade de fraca participação por causa da ameaça de chuva mas no final mostrava-se muito satisfeito com a forma como o desfile decorreu.

"O que nos ajudou foi a determinação das pessoas", disse António Fonseca à Lusa, acrescentando esperar que as autoridades portuguesas "não voltem as costas aos portugueses no estrangeiro".

A manifestação teve à frente bandeiras nacionais, vários grupos de bombos e a participação da Filarmónica Portuguesa de Paris.

O deputado do PSD pelo círculo da Europa e ex- secretário de estado das Comunidades, Carlos Gonçalves, afirmou não compreender o "capricho" de governo português de fechar quatro consulados em França, apesar de apoiar uma reestruturação consular.

O membro da Assembleia da República eleito pelo PCP Jorge Machado também presente na manifestação de Paris, lembrou que o governo recuou em relação ao seu projecto inicial mas, mesmo assim, continua a "desrespeitar" as pessoas: "O governo devia melhorar os actuais consulados e não encerrá-los", sublinhou.

Por seu lado, a deputada do Bloco de Esquerda Helena Pinto ainda tem esperança que o governe "recue" e tome em consideração as necessidades dos actuais emigrantes, assim como "as novas rotas" que colocam "novos problemas" àqueles que continuam a sair de Portugal.

Além dos portugueses que vivem nas áreas consulares de Versalhes, Nogent, Orléans e Tours, cidades onde estão instalados os postos que vão encerrar, marcaram também presença os emigrantes de Lille e Toulouse.

Na proposta inicial, estavam previstos encerrar os consulados de Lille e Toulouse, mas o governo decidiu transformá-los em escritório consular e em vice-consulados respectivamente.

O presidente do Conselho das Comunidades Portuguesas, Carlos Pereira, lançou um apelo ao governo português para "não ficar insensível" à manifestação de Paris e que tenha em conta o interesse nacional: "Lisboa está a cortar a ligação a muitos portugueses, o que é um acto gratuito", disse.

Presente também na manifestação, Maria Gracinda Maranhão, líder do PS português em França, insurgiu-se contra a reforma dos consulados que, segundo ela, não toma em consideração "a realidade no terreno" tratando os portugueses no estrangeiro como "quantidade negligenciável".

"Não é por sermos socialistas que não nos manifestamos contra uma decisão que consideramos errada" de um governo do PS, disse.


Mais de um milhão de portugueses e luso-descendentes vivem actualmente em França.

A reestruturação consular foi aprovada quinta-feira em Conselho de Ministros com o governo a recuar em relação ao projecto apresentado em Dezembro último, decidindo encerrar 11 consulados e não os 17 inicialmente previstos.

Em França, palco de 19 manifestações, contando com a de hoje, da comunidade portuguesa, vão encerrar quatro consulados em vez dos seis previstos.

Esta reestruturação é acompanhada da criação pelo governo do consulado virtual, que permite o acesos pela internet a todos os actos consulares excepto os que requerem presença física.


FPB.
Lusa/Fim

Federação socialista também critica fecho de Consulados


Comunicado da Federação de França do PS Português


Paris dia : sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2007


Como previsto na nossa agenda, realizou-se o encontro de informação recíproca de militantes e simpatizantes socialistas da região de Paris e da Bretanha, com Paulo Pisco (Director do Departamento Internacional e de Comunidades), adstrito ao Secretariado Nacional do PS português, no dia 4 de Fevereiro de 2007, na rua Solférino, Paris, em locais generosamente cedidos pelo PS francês.

A assembleia de cerca de 30 participantes distinguiu-se por calorosas intervenções de ponderação afinada, à volta dos temas em debate, mormente:

1) manter as estruturas orgânicas estatutárias do Partido (no estrangeiro) em França (Federação e Secções) homologadas em dignidade (direitos e deveres), regidas pelas regras comuns ;

2) renovar vínculos militantes com as diversas instâncias, nacionais, federais e de secção ;3) dinamizar o esforço militante, centrado no porvir duma sociedade justa e solidária, pautado pela autenticidade generosa de cada socialista, junta da nossa Comunidade emigrante, em concertada colaboração fraterna com os nossos camaradas franceses do PS ;4) disponibilizar de meios logísticos apropriados e proceder ao provimento de suficiência financeira, que autorizem condições duma acção partidária e cidadã consequentes.

Se a discussão se revelou por vezes renhida, entrecortada de expressões asseveradas, senão contundentes, o intercâmbio entre os diversos intervenientes logrou, contudo, de ponderação nos argumentos e de pertinência nas conclusões tiradas, num clima de seriedade exemplar.

Os participantes sanccionaram, pelo voto (por maioria absoluta menos seis abstenções) a reivindicação duma Federação do Partido Socialista Português ao serviço dos compatriotas socialistas, residentes em França, bem como a renovação do fervor militante tanto no funcionamento das várias instâncias orgânicas como quanto ao empenhamento de cada socialista, no âmbito que lhes incumbe.

No final da reunião, a todos apelo foi feito de colaboração acrescida com os nossos camaradas franceses, nas campanha eleitoral presente, para a Presidência da República Francesa, com a nossa camarada Ségolène Royal. A todos redobrado esforço !


Pelo o Secretariado da Federação de França do PS Português
A Presidente de Mesa :
Dra. Gracinda Maranhão-Guitton

Convocatória : Aos militantes e simpatisantes socialistas portugueses em França


Caros/as Camaradas,

O Secretariado da Federação de França do Partido Socialista Português, convoca os seus militantes e convida os simpatizantes do nosso Partido para uma reunião a realizar no dia 4 de Fevereiro de 2007, às 10h30 no local da sede do Partido Socialista Francês, 10 rue Solférino em Paris (metro Solférino).

Participará nesta reunião o camarada Paulo Pisco (Director do Departamento das Comunidades no Estrangeiro do PS Português).

Saudações Socialistas,


Manuel SANTOS JORGE
Secretário Federal para a Organização

Circular : Aos militantes e simpatisantes socialistas em França


Caros/as Camaradas,

A Federação de França do Partido Socialista Português apresenta os seus melhores cumprimentos a V. Exas, extensivos aos vossos familíares e amigos, e os melhores votos para o ano que começa 2007. Que este ano vos traga saúde e sucessos militantes e pessoais.

Vimos por este meio informar que seguirá no princípio desta semana, para todos os Secretários-Coordenadores, uma circular de informação interna sobre a situação estatutária na qual se encontra a Federação do PS em França relativo ao momento institucional que vivemos :
a) renovação dos orgãos federais
b) mobilização da militância
c) perspectivas a desenvolver

Brevemente haverá um ponto de informação sobre este assunto aos Secretários-Coordenadores.

Fico ao dispôr para responder a questões complementares.

Saudações Socialistas,


Manuel SANTOS JORGE
Secretário Federal para a Organização

PS/Federação-França : A crise parece instalada nos socialistas


Congressos Federativos em Maio


Congressos Federativos : Eleições internas


Folha Federal : Demissão de Manuel de Almeida


Folha Federal : Editorial


Caro(a) Camarada,

I Cumpre saudar o esforço de todos dispensado aquando das últimas eleições do novo Presidente da República Portuguesa. A Esquerda apresentou-se ao escrutínio, dispersa por várias candidaturas, e o Partido Socialista contava dois pretendentes oriundos das suas hostes. Mario Soares, figura política venerável aquém e além fronteiras, porém provado pela longa carreira pública e pelos altos cargos que tão idoneamente exerceu, foi oficialmente indigitado pelas instâncias orgânicas superiores do Partido. Manuel Alegre, consagrado poeta, militante anti-fascista da primeira hora, recebeu o apoio duma crescente franja de socialistas.

Por certo, os Orgãos do Partido não lograram auscultar pertinentemente a opinião popular. Todavia o maior dano advindo deste estado de coisas foi a confusão gerada nas mentes dos eleitores e a consequência quão perniciosa da presidência da República ter sido entregue a um cidadão, eivado de ideais reacionários, ao serviço dos mais beneficiados do sistema ; o qual minora o interesse que lhe merece a justiça social, a reabilitação dos excluidos, o bem-estar dos mais humildes.

Cara esta lição, convém aproveitá-la, para futuro.


II Respeitante à vida interna do Partido, sabemos que as eleições dos Orgãos federativos e nacionais aproximam-se. O Congresso Nacional realizar-se-á, nos princípios do próximo Outono. O congresso da Federação de França não tem ainda data marcada. Cremos no entanto que as modalidades de desencadeamento do mesmo sejam aceleradas. Seria oportuno que decorresse em Junho deste ano.

Relativamente à nossa Federação, cabe-me informar-te da demissão do Presidente da Federação, Manuel Almeida, ocorrida em 26 de Fevereiro de 2006, perante membros do Secretariado federal (o texto da carta, segue junto).

Apesar de possíveis deficiências de funcionamento institucional, inerentes a condicionalismos vários, convém focar que o posicionamento dum quadro dirigente requere-se esclarecido quanto às situações de indole politica e quanto às estratégias seleccionadas, generoso no acolhimento de todos e cada um dos militantes, a despeito das divergências supervenientes tão frutuosas como inevitáveis. O camarada Manuel Almeida revelou-se durante os largos anos que presidiu a Federação PSP de França, frontal nas suas relações com as instâncias orgânicas em Lisboa, intransigente no desempenho cabal do seu cargo. Primou pela modulação do trato, contudo pautado pelas exigências do rigor, consoante a importância dos problemas em presença.

O rastreio clarividente dos acontecimentos e o desenrolar teimoso dos factos vindouros abonará por certo os projectos por ele (e por cada socialista) almejados. Dos defeitos intercorrentes ou de incúrias menores, o futuro assumirá o cômputo, com peso e pedida.

Em nome do Secretariado da Federação PSP de França, consentâneo com as numerosas devas de militantes, reconhecidos agradecimentos a Manuel Almeida e augúrios de militância sustentada !


Por Manuel dos Santos Jorge
Secretário Federal para a Organização

Manuel de Almeida : Soares prejudicado pela idade


Aurélio Pinto : Federação do PS em França tem de funcionar


Folha Federal : Informação da secção de Paris Oeste


Caro(a) Camarada,

Estamos no fim do Ano de 2005, o ano de 2006 está a chegar e Portugal continua numa situação como todos sabemos pouco confortável.

O governo de José Socrates iniciou uma serie de medidas necessárias para colocar Portugal no caminho da prosperidade e do progresso.

É evidente que ao tomar tais iniciativas, algumas impopulares, muitos que acreditaram no Partido Socialista estão tentados a perder a confiança na governação do PS e a oposição vai aproveitando de uma forma demagogica para descreditar o nosso governo.

Devemos estar vigilantes, informar e defender as medidas implementadas porque a estabilidade politica em Portugal são indispensáveis para a consolidação financeira, social e para o progresso do nosso país no quadro da Comunidade Europeu.

Com o objectivo de trocarmos opiniões sobre a situação em Portugal e da campanha par as eleições à Presidência da Républica, o Secretariado da Secção convida os aderentes e amigos para uma reunião de convivio e esclarecimento :

no dia 6 de Janeiro às 20h00 em Montigny lès Bretonneux (78)
2 avenue des Quatre Pavés du Roi - Sala n° 3 - Château du Manet


Contando com a vossa presença,

Para Vós, Familia e Amigos, Boas Festas e Feliz Ano Novo.

Saudações Socialistas.


Por Parcídio PEIXOTO
Secretário Coordenador

Folha Federal : Criar Dinamicas


Caro(a) Camarada,

Nas vésperas das Festas Natalicias, à beira do Novo Ano 2006, o Secretariado da Federação de França do Partido Socialista Português apresenta os melhores votos a todos os camaradas militantes e familiares.

1) Nos meados do proximo mês de Janeiro de 2006 realizar-se-à o escrutinio para a eleição do Presidente da Republica Portuguesa. O nosso Partido escolheu o seu candidato – o ilustre socialista, fundador do PS, o dr Mario Soares. Se ele acedeu ao convite para se dignar disputar de novo tão alto cargo foi, a seu dizer, com o sentido de se disponibilizar ao serviço dos interesses superiores de Portugal.

Com efeito, dada a longa folha de serviços eminentes prestados ao País, Mario Soares lograria aposentação sossegada, embora activa, no seio das várias instituições vocacionadas para Cultura e Promoção Social, as quais preside brilhante e eficazmente.

Sabemos quanto o nosso País soçobrou estes últimos anos, numa crise que de económica e social se traduziu em rebaixamento cidadão , moral e relacional entre as pessoas. Na verdade, Portugal, como todo e qualquer vivente nação , grupo ou individuo, acusa épocas de decadência, fruto das mazelas contraídas no percurso da vida. Desde modo, após periodos de abundância euforica e de ousadia destemida, provento das especiarias da India (século XVI), ou consequente ao desenvolvimento exponencial dos engenhos de açucar e do ouro e pedras preciosas encontrados no Brasil (século XVIII), eventos menos gloriosos ocorreram. Tempos de contenção advieram também, com notas pouco entusiastas relativo esgotamento do caudal inventivo, em paisagem de morna tristeza, impropérios reiterados a um passado interminável, cujo luto se assevera impossível.

Assim, o mana dos fundos estruturais dispensados pela União Europeia, os quais não foram suficientemente aproveitados para o incremento e restruturação das unidades produtivas do País, deixaram, nestes ultimos meses de redução significativa dos mesmo, em contexto de crise geral, uma situação socio-politica de fundo, atravessada, pelo descoroçoamento senão civada de espasmo insatisfeito.

Convém reagir com urgência ! A campanha das eleições presidenciais presta-se a levar a cabo o inventário dos insucessos, como também a talhar a abertura de soluções praticas argumentadas ; enfim, concorre ao forjar de impetos seguros para empreendimentos vindouros.

Estamos ancorados politicamente à esquerda. As nossas opções são claras. Portugal merece-nos esforços redobrados !

2) A nossa Europa, este significante referencial identitário, de vocação universal, partilhado por quantos oriundos dela e tantos, nos diversos quadrantes do mundo, a denominada Civilização Ocidental, apresenta-se, porém, não sem algumas danosas ambiguidades, promotora de valores fundamentais : democracia em politica, o direito na arbitragem das relações inter-humanas, no respeito dos principios ponderados segundo a ética, caução superior da conduta humana.

Na presente tentativa historica de construção pacífica, negociada, da sua unidade politica, a União europeia patina depois da nota desatinada, desferida pelo voto negativo da França e da Holanda ao tratado-projecto de constituição da União Europeia, na Primavera passada. A presidência revezante do Reino Unido da Grã-Bretanha, zelador da plataforma minimalista acentuou os obstáculos. Verificámos as dificuldades encontradas, estes dias, para se firmar o acordo de orçamento, referente a 2006.

Estamos conscientes do peso da historia comum, das reticências de alguns Estados e dos comportamentos de quantos, empenhados na acquisição de benesses particulares, senão interessados em priorizarem perspectivas domésticas, inspiradas em vantagens imediatas, atenentes à politica interna dos respectivos Estados.

Nós, socialistas, professamos uma visão internacionalista da coisa publica, por consequente decididamente transnacional europeia, no que se refere à organização cidadã, à instituição da paz entre os povos, bem como à implementação da justiça para todos sem exclusão de qualquer espécie.

Cumpre-nos, pois, prestar atenção apurada no curso dos acontecimentos ao assunto deveras relevante : o futuro da Europa é também obra que nos compete ;

Que o advento duma Europa politica una implique encadeamento de peripécias melindrosas e negociações delicadas é sobejamente conhecido.

Razão acrescida à solicitação da disponibilidade militante que do âmago nos alenta.
Boas Festas e melhores augúrios de Ano Novo 2006 Feliz e militante !


Por
Manuel DOS SANTOS JORGE
Secretário Federal para a Organização

Folha Federal : Uma pequena reflexão


Caros Camaradas, Amigos e Simpatisantes,

Aproveito este momento de Festa Familiar para desejar a todos, bons momentos um Ano Novo cheio de prosperidades e em particular muita saude.

Lembro igualmente que no início do próximo Ano, mais exactamente no dia 22 de janeiro realizar-se-à as eleições presidenciais. Pela primeira vez após o despertar da democracia um candidato apresentado pela direita unida « Cavaco Silva » representa um perigo para a estabilidade politica em Portugal, tentando através da sua eleição preparar as condições para pôr em causa a vitoria socialista nas ultimas eleições legislativas de Fevereiro de 2005.

Temos que esquecer os nossos « estados de alma » e trabalharmos afincadamente num quadro de conjugação de esforços de forma a criarmos as condições para a vitoria do candidato apoiado pelo Partido Socialista « Mario Soares » unico candidato com experiência e curriculo internacional não esquecendo que Mario Soares foi o fundador do Partido Socialista e é sem duvidas um dos principais obreiros da Democracia Portuguesa.


Por Manuel DE ALMEIDA
Presidente da Federação




Manuel de Almeida : Soares é o melhor candidato da esquerda

In LusoJornal-França – N° 40 (15/09/2005) – Página 5

Convite para jantar com Mário Soares em Paris


Paulo Pisco : Voto electrónico por Internet


O Partido Socialista nega terminantemente que esteja representado por algum candidato ou dirigente na experiência de voto electrónico por Internet (como foi referido num comunicado da Agência Lusa) prevista para se realizar amanhã, dia 10, na Embaixada de Portugal em Paris, não só porque discorda totalmente do momento e das circunstâncias em que é feita, como porque está a ser motivo de um aproveitamento político indecoroso por parte do PSD.

O Partido Socialista reitera a sua posição de considerar que esta experiência confunde os eleitores da emigração e constitui uma situação equívoca que vai levar muitos eleitores a deixarem de votar a sério por pensarem que já votaram ao terem-no feito a brincar. Por isso, reitera o seu apelo à suspensão imediata desta experiência que só pode contribuir para a confusão e a abstenção.

Convém recordar que o mesmo universo de 150 mil eleitores que está a receber uma carta para votar a sério, está também na mesma altura a receber uma carta para participar no voto electrónico, havendo o sério risco de muitos eleitores deixarem de votar por pensarem já o ter feito, além de deixar muitos confusos por não possuírem computador, não obstante ser-lhes pedido que votem. Com efeito, o voto por Internet não é fiável nem assegura a igualdade de oportunidades entre eleitores e não é a mesma coisa fazer a experiência quando o voto é presencial em Portugal e quando o voto é feito por correspondência para o resto do mundo onde há portugueses.

O Partido Socialista condena também aquilo que, ao mesmo tempo, é uma manobra de campanha eleitoral, já que o actual secretário de Estado das Comunidades, Carlos Gonçalves, também cabeça de lista do PSD pelo círculo da Europa, anunciou que estará presente na qualidade de candidato, o que é uma situação muito duvidosa, na medida em que a própria Secretaria de Estado das Comunidades é parceira neste projecto juntamente com a UMIC.

O PS reitera a sua defesa do voto electrónico, mas efectuado de forma presencial nos consulados e fiscalizado por representantes dos partidos.


Por Paulo Pisco
Director do Departamento de Comunidades do PS


Lisboa 10 de Fevereiro de 2005


O Secretário-Geral do Partido Socialista : José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa


Natural de Vilar de Maçada, concelho de Alijó, Distrito de Vila Real, em 06.09.1957.

Licenciado em Engenharia Civil, concluiu depois uma pós-graduação em Engenharia Sanitária, na Escola Nacional de Saúde Pública.

Pouco depois do 25 de Abril, com 16 anos, ingressou na JSD, saindo em ruptura logo no ano seguinte, de 1975.

Militante do Partido Socialista desde 1981.

Presidente da Federação Distrital de Castelo Branco entre 1986 e 1995.

Integra o Secretariado Nacional do Partido Socialista desde 1991.

Nesse mesmo ano de 1991 iniciou também funções como Porta-voz do PS para a área do Ambiente.

Deputado à Assembleia da República desde 1987, pelo círculo de Castelo Branco.

Secretário de Estado Adjunto do Ministro do Ambiente no XIII Governo Constitucional, entre 1995 e 1997, com competências delegadas em matérias de ambiente e defesa do consumidor.

Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro no XIII Governo Constitucional, entre 1997 e 1999, com a tutela das áreas da toxicodependência, desporto, juventude e, mais tarde, comunicação social.

Ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território no XIV Governo Constitucional, entre Outubro de 1999 e Abril de 2002.

Regressou em Abril de 2002 à Assembleia da República, onde exerce o seu mandato de Deputado.

Eleito Secretário-Geral do Partido Socialista em Setembro de 2004.


http://www.ps.pt/data/conteudo.php?pag=secretario_geral


O Presidente do Partido Socialista : António de Almeida Santos


Presidente do Partido Socialista.

Membro do Conselho de Estado.

Casado com Maria Margarida Moreno Areias de Almeida Santos.

Quatro filhos. Sete netos.

Natural de Cabeça, concelho de Seia, em 15.02.1926.

Curso liceal - Liceu D. João III - Coimbra.

Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, entre 1945 e 1950. 6º ano de Ciências Jurídicas em 1952.

Serviço Militar em 1951.

Advogado em Lourenço Marques, entre 1953 e 1974.

Em Lourenço Marques pertenceu ao Grupo dos Democratas de Moçambique. Duas vezes candidato às eleições para a Assembleia Nacional, em listas da Oposição, e viu, em ambos os casos, anulada a sua candidatura por acto arbitrário da Administração Colonial.

Representou, em Moçambique, o General Humberto Delgado, que ganhou as eleições em todas as cidades e vilas onde foi possível fiscalizar a contagem dos votos.

Em conferências, petições e livros, defendeu uma solução federativa para as colónias portuguesas até que, em 1971, em livro apreendido pela Censura - "Já Agora!..." (Editorial Minerva) - passou a defender a aplicação pura e simples do princípio da autodeterminação e independência.

Ministro da Coordenação Interterritorial nos 1º, 2º, 3º e 4º Governos Provisórios. Demitiu-se no 4º Governo.

Ministro da Comunicação Social no 6º Governo Provisório.

Ministro da Justiça no 1º Governo Constitucional.

Ministro Adjunto do Primeiro Ministro no 2º Governo Constitucional.

Ministro de Estado e Ministro dos Assuntos Parlamentares no 6º Governo Constitucional.

Deputado eleito pelo PS desde a I Legislatura.

Líder do Grupo Parlamentar do PS entre 1991 e 1994.

Presidente do Partido Socialista desde 1991.

Membro do Conselho de Estado, de 1985 a 2002.

Presidente da Assembleia da República nas VII e VIII Legislaturas.

Publicou :
- «Coimbra em África»
- «Ensaio sobre o Direito de Autor»
- «Rã no Pântano»
- «Pela Santa Liberdade»
- «Já Agora!... »
- «Teoria da lmprevisão»
- «Quinze Meses ao Serviço da Descolonização»
- «Textos Políticos»
- «Com Ironia e Sumo de Limão»
- «Virtuosa Sensaboria»
- «Corpo de Delito»
- «Os Mal Amados»
- «Vivos ou Dinossauros»
- «Civismo e Rebelião»
- «Até que a Pena me Doa ...»
- «Por Favor Preocupem-se»
- «Do Outro Lado da Esperança»
- «Avisos à Navegação»
- «Quase Retratos»
- «Contos do Tempo do Ódio»
- «Paixão Lusófona»
- «Pare, Pense e Mude»

Títulos académicos e científicos : Sócio da Academia Nacional de Belas Artes.

Na IX Legislatura : Membro do Conselho de Estado.



http://www.ps.pt/data/conteudo.php?pag=presidente


sexta-feira, 23 de março de 2007

Newsletter do PS Português em França

Caros Camaradas e Simpatizantes Socialistas,

O
site da Federação de França do Partido Socialista Português(1) jà se encontra em funcionamento na internet : http://br.groups.yahoo.com/group/psportuguesfranca

Éis aqui uma nova ferramenta para servir de elo de ligação entre militantes e simpatizantes socialistas em França ; particularmente para campanhas eleitorais como aquelas que vão decorrer próximamente : Autarquicas e Presidenciais.

Certas ferramentas de utilização do site internet para militantes e simpatizantes da Federação de França do Partido Socialista Português não estão em domínio de acesso livre.

É necessário associar-se a nosso site internet !

Para associar-se gratuitamente ao boletim de informações e de iniciativas da Federação de França do Partido Socialista Português, basta :
- clicar em “Responder/Répondre” do seu programa de leitura de e-mail’s (Outlook ou WebMail)
- enviar uma mensagem para :
psportuguesfranca-subscribe@yahoogrupos.com.br

Saudações Socialistas.


Adé J. R. CALDEIRA
ps.portugues.franca@gmail.com
Federação de França do Partido Socialista Português
Departamento de Divulgação e Comunicação



(1) Projecto aprovado em Congresso da
Federação de França do Partido Socialista (Clichy - 20/10/2001). Gestão confiada ao Departamento de Divulgação e Comunicação pelo Secretariado Federal da Federação de França do Partido Socialista (Paris - 11/11/2001).




Folha Federal : A posicão de um Socialista


A hora aproxima-se e não podemos hesitar.

Temos pouco tempo para reflectir e consagrar nas urnas de voto a vitória do Partido Socialista.

Estamos em plena pré-campanha eleitoral e como é habitual o cabeça de lista do P.S.D. pela Emigração Europa é o Secretario de Estado das Comunidades (Carlos Gonçalves.) e apressou-se a entrar em campanha eleitoral à custa do erario publico (quero dizer os nossos impostos e remessas) prometendo tudo o que lhe vai na cabeça, imaginando que os portugueses da diaspora são uns parvos que não têm memória.

Lembramo-nos das promessas eleitorais durante a campanha de 2002 e o resultado foi o encerramento dos consulados, a destruição do ensino de lingua e cultura portuguesas aos nossos filhos, o aumento brutal dos emolumentos consulares, o abandono no apoio ao movimento associativo beneficiando apenas os amigos.

Agora vem prometer que reporá o que destruiu, « não é sério » os nossos compatriotas não aceitarão que lhes atirem poeira para os olhos.

O momento é de sanção para este desgoverno, e nenhum voto deverá faltar para que o Partido Socialista vença as eleições e possa pôr em pratica, o seu programa de consolidação orçamental e de voltar a dar prioridade às medidas sociais tão espezinhadas por este governo PSD/CDS.

Alguns pequenos arautos, felizmente minoritários apelam ao voto branco, não nos deixamos ludibriar, pois um voto perdido é um voto para a direita reacionária, não façamos o jogo da direita, o objectivo nesta eleição é derrotar o PSD/CDS, assim apelo a todos os compatriotas inscritos nos cadernos eleitorais a votarem na lista do Partido Socialista para por-mos cobro à nefasta governação de que Portugal tem vindo a ser vítima.


Por Parcídio PEIXOTO
Coordenador da Secção Paris-Oeste do PS


Folha Federal : Ser Militante


Encontramo-nos de novo em período eleitoral e chamados a exercer o direito de voto, o mais nobre dos actos democraticos, representativo não só da liberdade de expressão, mas também da responsabilidade de cada cidadão na construção e na evolução do destino nacional.

As épocas eleitorais são propícias à discussão e exigem daqueles que escolheram de aderir a uma formação politica, um acrescentado trabalho no terreno e o respeito rigoroso da disciplina partidaria.
O entusiasmo e a paixão que desencadeiam as confrontações de ideias e de candidatos, tambem favorecem a expressão individual de opiniões e preferencias.

Mas se o facto de ser aderente de um partido, não significa abdicar das proprias opiniões e da liberdade de as exprimir, esta liberdade e esta expressão devem fazer-se no âmbito delimitado pelo partido a que aderimos, no respeito das directivas adoptadas pela maioria e no respeito dos ideais que inspiram a accão partidaria.

Não é compativel com as decisões e opções escolhidas pelo PS, chamar os nossos compatriotas a votar branco nas proximas eleições legislativas, por motivos obscuros e circunstaciais, que desprezam a dimensão do acto eleitoral e a actual situação do país.

Com efeito, os nossos candidatos, na conjuntura actual, não somente necessitam toda a nossa energia para fazer campanha a seu lado, mas mais, necessitam de todas as nossas vozes para conquistar a maioria absoluta, afim que uma nova governação se imponha em Portugal e que se leve a cabo uma politica respeitosa dos valores da democracia que conquistámos com determinação no 25 de Abril.

Ser membro dum partido não é abdicar da sua opinião e ideal. Ē fazer da própria energia, junta com aquela de todos os que cononsco combateml, debatem e fazem avançar ideias e decisões, uma alavanca poderosa de progresso e de evolução.

Não esquecamos pois a totalidade do nosso « engagement » : votar PS nas eleições, é respeitar a nossa adesão e o nosso compromisso, mas muito mais alem é contribuir a uma mudança salutar da direção politica do nosso país e contribuir para um Portugal mais Europeu, mais consciente dos anseios da diaspora, mais competente para pôr em obra uma politica social, cultural e internacional, compatível com os anseios e as aspirações do nosso povo mas também dos povos do mundo inteiro.

Apêlo assim ao sentido das responsabilidades de cada militante, à integridade da sua adesão e à coerência da sua acção.

Saudações Socialistas.


Por Maria Gracinda MARANHÃO-GUITTON
Secretária Federal do PS – Federação de França